Baixar este arquivo PDF - Revista Psicologia em Pesquisa

April 11, 2018 | Author: Anonymous | Category: Ciência, Medicina, Psiquiatria
Share Embed


Short Description

Download Baixar este arquivo PDF - Revista Psicologia em Pesquisa...

Description

Psicologia em Pesquisa | UFJF | 10(2) | 93-101 | Julho-Dezembro de 2016

DOI: 10.24879/201600100020064

Transtornos somatoformes (manifestações histéricas) em mulheres atendidas em hospital psiquiátrico de São Luís, Maranhão Somatoform disorders (hysterical manifestations) in women served in the psychiatric hospital of são luís, maranhão Ana Paula Rezzo Pires Reinert I Rafisa Moscoso Lobato Rêgo I Rômulo Cesar Rezzo Pires II Vanalda Costa Silva III

Resumo

Os sintomas somáticos sem explicação médica ou manifestações histéricas são freqüentes, estando associados a sofrimento mental em vários contextos. Atualmente são classificados na psiquiatria como transtornos somatoformes (TS). Estudos prévios apontam que as populações latino-americanas são propensas à somatização. No entanto, existem poucos estudos nacionais e locais sobre estes transtornos. Desse modo, este estudo objetivou verificar a ocorrência de TS em mulheres atendidas em um hospital psiquiátrico em São Luis Maranhão. Realizou-se um estudo seccional de base documental a partir dos dados coletados dos prontuários médicos das pacientes atendidas no período de Agosto de 2012 a Janeiro de 2013. Estimou-se a prevalência de TS com base em um total de 1.220 atendimentos, o que resultou em 62 casos de sintomatologia compatível com TS (5,08%), dos quais, apenas 5 receberam diagnóstico conclusivo de TS (8,06%). Os TS diagnosticados pelo CID 10 foram: quatro casos de transtorno dissociativo conversivo e um de neurovegetativo somatoforme. Os transtornos ocorreram mais frequentemente entre mulheres pardas com idade média de 34,3 anos. Os sinais e sintomas mais freqüentes foram insônia, dor de cabeça e inapetência. Os resultados apontam a necessidade de investigações mais minuciosas com os pacientes e auxílio de outros profissionais na composição de uma equipe multidisciplinar na investigação e fechamento do diagnóstico clínico. Levando-se em consideração as reformulações pelo qual o Código Internacional de Doenças versão 10 para as modificações na 11ª edição, estudos sobre os TS contribuirão de forma significativa para o processo de revisão dos sistemas diagnósticos de transtornos mentais e de comportamento. Palavras-chave: Transtorno Somatoforme, Somatização, Psicanálise, Mulheres, Hospital Psiquiátrico.



Abstract

Unexplained somatic medical symptoms or hysterical symptoms are common and frequently associated with mental distress in various contexts, representing, in general, a quarter to half of visits in primary and secondary care. They are currently classified in psychiatry as somatoform disorders (SD). Previous studies suggest that the Latin American populations are susceptible to somatization. However, there are few national and local studies on these disorders. Thus, this study aimed at verifying the occurrence of SD women attended in one psychiatric hospital in São Luís Maranhão. It was conducted a cross-sectional study of documentary basis of data collected from the medical records of patients treated during the period August 2012 to January 2013. It was estimated the prevalence of SD based on a total of 1,220 calls, which resulted in 62 cases of symptoms compatible with SD (5.08%), of which only 5 received conclusive diagnosis of SD (8.06%). The SD diagnosed by ICD 10 were: four cases of dissociative conversive disorder and a somatoform autonomic. Disorders occurred more frequently among brown women with a mean age of 34.3 years. The most common signs and symptoms were insomnia, headache and loss of appetite. The results indicate the need for more detailed investigations with patients and aid of other professionals in the composition of a multidisciplinary team in research and clinical diagnosis closure. Taking into account the reformulations by which the International Classification of Diseases version 10 for modifications in its 11th edition, the SD studies will contribute significantly to the process of revising the diagnostic systems for mental and behavioral disorders. Keywords: Somatoform Disorder, Women, Psychiatry Hospital, Somatization, psychoanalysis. Universidade Ceuma, São Luís – Maranhão Faculdade do Maranhão (FACAM), São Luís – Maranhão III Centro de Atenção Psicossocial –I, Viana – Maranhão I

II

INTRODUÇÃO Os estudos sobre a histeria são considerados como ponto de partida da Psicanálise, tendo ganhado mais relevância no século XIX, quando o médico Sigmund Freud atendeu mulheres que apresentavam sintomas tais como paralisia, cegueira, dor de cabeça, paresia de músculos, rigidez, perturbações na visão entre outros. Reinert, A.P.R.P., Rêgo, R.M.L., Pires, R.C.R. & Silva, V.C.

A partir destes estudos, Freud concluiu que a histeria está ligada a conflitos relacionados à intimidade da vida psicossocial dos pacientes e que seus sintomas são a expressão dos mais secretos desejos recalcados. Esses desejos encontram-se no plano do inconsciente. Revelando – se sobre forma de sintomas que causam o adoecimento do corpo (Freud, 1996). A histeria, classificada atualmente por transtorno somatoforme, tem como principais características a 93

Psicologia em Pesquisa | UFJF | 10(2) | 93-101 | Julho-Dezembro de 2016

presença repetida de sintomas físicos associados à busca persistente de assistência médica. Esse transtorno, ainda hoje, é um enigma para a classe médica, pois estes profissionais nada encontram de anormal nos pacientes e afirmam que os sintomas não têm nenhuma base orgânica (ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE [OMS], 1997). O transtorno somatoforme (TS) é de difícil reconhecimento e tratamento, tanto pelo psiquiatra, quanto pelo não psiquiatra. Esse transtorno pode ser entendido no seu sentido mais amplo, que é a manifestação de sintomas físicos de origem exclusivamente psicogênica. Contudo, esta definição é prejudicial, pois pressupõe uma divisão entre “corpo” e “mente”, e pode dar uma ideia de que os sintomas físicos são “simulados” ou “controlados” pelo paciente, além de não englobar situações em que há somatização associada com doença “orgânica” e, por outro lado, não distinguir casos em que a somatização é secundária a outros transtornos mentais (Elkis & Louza, 2007). Verifica-se, em manuais de diagnóstico como o DSM – IV – TR e CID-10, que o diagnóstico de histeria foi rejeitado pela comunidade científica, dando lugar às novas classificações diagnósticas dos transtornos dissociativos, de personalidade, bipolar ou síndromes psicóticas. Porém, a mudança na classificação da histeria não impede que ela continue existindo. A diferença é que hoje a histeria apresenta. além dos antigos, novos sintomas como anorexia, bulimia, obesidade, pânico e doenças como depressão e mania (Maurano, 2010). No Brasil, em um estudo epidemiológico realizado em 1997 em três capitais brasileiras (Brasília, São Paulo e Porto Alegre), observou-se que a prevalência ao longo da vida de transtornos psiquiátricos pode chegar a 50% conforme Almeida-Filho et al. (1997). Em um estudo realizado na cidade de São Paulo, mostra que a prevalência de qualquer transtorno psiquiátrico ao longo da vida é de 45% – mesmo excluindo-se a dependência de nicotina, quase um terço da população apresentará algum diagnostico psiquiátrico ao longo da vida (Andrade,Walters, Gentil, & Laurenti, 2002). A Revista Brasileira de Psiquiatria, em seu vol 33, afirma que como a classificação dos assim chamados transtornos somatoformes é altamente controversa, há sugestões de abolir esta categoria como um todo. Cada pequena porção de informação é extremamente importante para a revisão de um sistema de classificação global dos transtornos mentais que é o que propõe com a 11º versão da Classificação Internacional de Doenças (Mayou, Kirmayer, Simon, Kroenke, & Sharpe, 2005). Os transtornos somatoformes constituem um campo amplo para estudos, tanto na área clínica, quanto

aos seus aspectos epidemiológicos. Atualmente, sabe-se que no Brasil, os transtornos mentais não são de notificação compulsória e seu diagnóstico é muito complexo e específico, devendo este ser emitido por médico psiquiatra experiente na área de saúde mental. Uma vez que as populações latino-americanas, incluindo o Brasil, são susceptíveis à vulnerabilidade social e com isto aos transtornos somatoformes, a realização de estudos que estimem de forma pontual sua ocorrência e suas manifestações clínicas, certamente contribuiria para disseminação científica do conhecimento sobre esta classe de transtornos. Nesta perspectiva, os hospitais psiquiátricos de referência estaduais ou municipais constituiriam fonte imensurável de informação sobre os transtornos mentais, em especial os somatoformes, devido a uma maior qualidade e padronização do diagnóstico. Soma-se a isso, a ausência de instrumentos sensíveis para realização de triagem na atenção básica, o que poderia gerar estimativas equivocadas para os transtornos somatoformes na população. A ausência de estudos no estado do Maranhão, aliada aos fatores citados anteriormente reforçam a realização deste estudo, cujo objetivo principal é estimar a incidência de TS em mulheres atendidas em um Hospital Psiquiátrico de São Luís (MA) e Além disso, este estudo se propõe a verificar as características sociodemográficas das pacientes com sintomatologia compatível com o Transtorno Somatoforme e elencar os diagnósticos (CID-10), identificados nos prontuários das pacientes com sintomatologia compatível com este tipo de transtorno. A histeria e a evolução em sua definição A histeria é uma neurose no mais estrito sentido da palavra, ou seja, essa doença apresenta alterações perceptíveis do sistema nervoso, porém não se espera que qualquer aperfeiçoamento das técnicas de anatomia venha a revelar alguma dessas alterações (Freud, 1996, p. 77). Em relação à histeria, freud (1996, p.78) revela “que ela é um quadro clínico nitidamente circunscrito e bem definido, que pode ser reconhecido com bastante clareza nos casos extremos daquilo que se reconhece como “grande hystérie”. Os estudos sobre a histeria ganharam maior relevância no séc. XIX, quando Jean-Martin Charcot, médico francês, demonstrou que, usando o método sugestivo da hipnose, seria possível induzir e eliminar todas as formas de sintomas experimentados por pacientes do sexo feminino que sofriam do que, até então, era denominado histeria (Paim, & Ibertis, 2006). Sobre o surgimento da histeria, Freud (1996, p. 45), acrescenta:

Psicologia em Pesquisa | UFJF | 10(2) | 93-101 | Julho-Dezembro de 2016

94

Psicologia em Pesquisa | UFJF | 10(2) | 93-101 | Julho-Dezembro de 2016

A idade média estava familiarizada de modo preciso com os estigmas da histeria, seus sinais somáticos, e os interpretava e utilizava à sua própria maneira. Em seus estudos sobre histeria, Charcot partiu dos casos mais completamente desenvolvidos, que ele considerava como tipos perfeitos da doença. Desde 1500 a.c, já eram realizados estudos sobre a histeria e pensava-se que essa patologia estava associada a um mau posicionamento do útero. Nos escritos gregos, encontrava-se descrição de mulheres com sintomas parecidos com que se manifestam transtorno de conversão, tais como cegueira, cefaléia e falta de apetite. Estas manifestações foram atribuídas ao fato do útero não ter sido sexualmente satisfeito. Acreditava-se que isso faria com que ele saísse vagando pelo corpo e neste vagar alojar-se-ia de tal modo a provocar os sintomas. Por exemplo, uma mulher que tinha um braço paralisado, supunha-se que o útero estava entalado entre ombro e cotovelo. O termo histeria origina-se da palavra grega que significa “útero” (Holmes, 1997, 142). O médico Sigmund Freud, atendeu pacientes com sintomas de histeria e concluiu que a histeria está ligada a conflitos relacionados à sexualidade (Maurano, 2010). A relação existente entre histeria e sexualidade, foi observada por Freud (1996, p. 87) admitindo que as condições funcionalmente relacionadas à vida sexual desempenham importante papel na etiologia da histeria, isto é, se dá em virtude de elevada significação psíquica dessa função, especialmente no sexo feminino”. A histeria representa mais do que uma doença circunscrita, representa uma anomalia constitucional. Normalmente, os primeiros sinais aparecem na adolescência. A sintomatologia histérica tem uma série de características gerais e conhecê-las é de suma importância para diagnóstico e tratamento (Freud, 1998, 46) Entre 1915 e 1993, a histeria se adaptou às transformações diagnósticas e aos avanços científicos da neurologia e da psiquiatria. Hoje se pode dizer que a histeria mudou apenas o rótulo, pois o CID-10 adotou a categoria de transtorno somatoforme classificado com o código F45 para definir esta neurose que imita quase todas as doenças que ocorrem no gênero humano. Sobre as características da histeria, Dalgalorrondo (2008, p. 322), afirma: as síndromes histéricas caracterizam–se por apresentar manifestações clínicas tanto referentes ao corpo como à mente e ao comportamento. No corpo, predominam as alterações das funções sensoriais e motoras Reinert, A.P.R.P., Rêgo, R.M.L., Pires, R.C.R. & Silva, V.C.

e, na mente, aquelas relacionadas à consciência vígil, a memória e a percepção. Sobre o transtorno somatoforme e suas manifestações, Holmes (1997, p. 144) acrescenta: “os transtornos somatoformes consistem em sintomas físicos para os quais não há causa demonstrável, mas a falha em demonstrar causa física poderia ser devido ao fato que não a encontramos ainda”. Para Holmes (1997, p. 144) o comportamento dos pacientes histéricos é caracteristicamente dramático, teatral, infantil, sedutor e, eventualmente, manipulativo: com certeza há casos nos quais as pessoas simulam doenças somáticas com tentativa deliberada de obter simpatia, benefícios ou evitar responsabilidade. Embora as simulações possam ocorrer, os sintomas dos transtornos somatoformes podem ser reais e existem sem causa física subjacente e sem comprovação clínica. Na sintomatologia histérica há expressão não de uma doença, ou de uma disfunção, mas de uma função a ser decifrada. O sintoma que faz sofrer o neurótico se coloca como um enigma no qual em sua decifração surge a evidência de um saber que não se sabe, que escapa da consciência (Maurano, 2010). Sob uma perspectiva nosológica, os transtornos somatoformes foram agrupados pela primeira vez em 1980, na terceira edição do manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSMIII), como transtornos em que sensações ou funções corporais, com enfoque predominante de pacientes, são influenciadas por perturbação da mente. Indivíduos com transtorno somatoformes estão convencidos de que seu sofrimento vem de algum tipo de distúrbio corporal presumivelmente não detectado e não tratado (Sadock, Kaplan, & Sadock, 2007). A revisão do texto da quarta edição do DSM (DSM III – IV-TR) reconhece cinco transtornos somatoformes específicos: 1. transtorno de somatização, caracterizado por várias queixas físicas, afetando vários sistemas de órgãos; 2. transtorno conversivo, caracterizado por uma ou duas queixas neurológicas; 3. hipocondria; caracterizada menos pelo enfoque em sintomas do que pela crença do paciente de ter uma doença especifica; 4. transtorno disfórmico corporal, caracterizado por uma doença falsa ou por uma percepção exagerada de que uma parte do corpo é defeituosa; 5. transtorno doloroso, caracterizado por sintomas 95

Psicologia em Pesquisa | UFJF | 10(2) | 93-101 | Julho-Dezembro de 2016

de dor que são exclusivamente relatados ou exacerbados por fatores psicológicos. O DSM – VI – TR também apresenta duas categorias diagnósticas residuais para o transtorno somatoforme: 1 – transtorno somatoforme indiferenciado, que inclui os subtipos não descritos de outra forma, que tenham estado presentes por seis meses ou mais, e 2 – transtorno somatoforme sem outras especificações, que é a categoria para sintomas somatoformes que não satisfazem quaisquer outro diagnóstico de tratamento somatoforme mencionados (Sadock ei al., 2007). A incidência dos diferentes tipos de transtornos somatoformes pode variar em função do gênero, da idade, classe social entre outros fatores psicossociais. O transtorno de somatização ocorre em 0,2 a 2,0% das mulheres durante toda a vida, sendo que mulheres com a condição excedem os homens em 05 a 20 vezes (Sadock ei al., 2007). Alguns sintomas do transtorno conversivo grave podem ocorrer em até um terço da população geral em algum momento de suas vidas. Vários estudos relatam que de 5,0 a 15% das consultas psiquiátricas em um hospital geral tem relação com esta sintomatologia. Já a prevalência de hipocondria em seis meses varia de 4 a 6% em populações clínicas, mas pode ser de até 15% (Starcevic, & Lipsitt, 2001). O transtorno dismórfico corporal é uma condição pouco estudada. Um estudo com um grupo de estudantes verificou que mais de 50% tinham pelo menos alguma preocupação com um aspecto particular de sua aparência e em cerca de 25% deles, a preocupação apresentava algum efeito significativo sobre seus sentimentos e desempenho (Carrol, Scahill, & Phillips, 2002). Embora a medicina tenha evoluído bastante ao longo dos anos, a histeria, ainda hoje, é de difícil de diagnóstico porque apresenta sintomatologia semelhante a várias outras patologias. No entanto, o tratamento da disposição histérica proporciona ao médico certa liberdade na escolha dos métodos. O tratamento psíquico direto dos sintomas histéricos é uma possibilidade para o tratamento destes pacientes e será ainda melhor no dia em que esta neurose tiver sido completamente entendida e aceita pelos médicos. Considerando-se os temas acima descritos, buscou-se desenvolver um trabalho que informe sobre as características dos pacientes que tenham necessitado de algum tipo de atendimento

METODOLOGIA Delineamento e amostra O presente trabalho teve como delineamento a pesquisa documental, por tratar-se de um estudo baseado nos dados registrados nos prontuários. De acordo com Jung (2004) citado por Gil (2010, p.54), este tipo de estudo visa à pesquisa em documentos, com o objetivo de formular uma base consistente de conhecimentos ao pesquisador, fornecendo esta fonte subsidiária para importantes interpretações. Os objetivos da pesquisa documental geralmente são mais específicos. Eles quase sempre visam à obtenção de dados em resposta a determinado problema, e geralmente não envolvem o teste de hipóteses e, com frequência, conduzem a uma análise quantitativa. Sendo assim, a amostra deste estudo foi composta por 62 prontuários, do pronto atendimento pertencente à ala Psiquiátrica do Hospital Nina Rodrigues, de pacientes do sexo feminino que apresentam o CID F. 45, que caracteriza o transtorno somatoforme e pacientes com sintomatologia característica deste transtorno, no período que compreende de agosto de 2012 a janeiro de 2013, ou seja, no período de seis meses, pois esses eram os prontuários disponíveis na unidade. Instrumentos para coleta de dados Os autores da pesquisa desenvolveram um instrumento de coleta de dados (ficha de coleta de dados) baseado nas informações disponíveis nos prontuários médicos das mulheres admitidas na ala de psiquiatria. Desse modo, após a inclusão da paciente no estudo, as informações contidas em seu prontuário eram transcritas para a ficha de coleta de dados para posterior analise estatística dos dados. Neste sentido, as variáveis analisadas foram: raça/cor, faixa etária, código do CID-10 e sintomatologia apresentada. Procedimentos para a coleta de dados No primeiro momento, foi solicitado ao hospital a seleção dos prontuários de pacientes pertencentes ao pronto atendimento da Ala Psiquiátrica, durante o período de agosto de 2012 até janeiro de 2013. No segundo momento, foram escolhidos os dias para a coleta de dados nos prontuários. Realizou-se a triagem de amostra de um total de 1.220 prontuários, sendo selecionados apenas os pertinentes ao fenômeno a ser

Psicologia em Pesquisa | UFJF | 10(2) | 93-101 | Julho-Dezembro de 2016

96

Psicologia em Pesquisa | UFJF | 10(2) | 93-101 | Julho-Dezembro de 2016

estudado, ou seja, os 62 prontuários de pacientes que apresentam transtorno somatoforme ou sintomas característicos desse transtorno. Ressalta-se que a amostra do estudo foi composta apenas pelos prontuários dos pacientes do Hospital e, por isso, não foi necessário o termo de consentimento livre esclarecido. Em seguida, foi efetuada a coleta de dados, utilizando-se a ficha criada pelo pesquisador. Cabe ressaltar que as fichas foram preenchidas de acordo com os dados presentes nos prontuários, sendo cada ficha correspondente a um paciente. Por questões éticas, o nome dos pacientes não será divulgado. Procedimentos para análise dos dados De posse dos dados, estes foram analisados através do pacote estatístico SPSS for Windows (Statistical Package for the Social Sciences). Foi adotado p
View more...

Comments

Copyright � 2017 UPDOC Inc.